Servidores cedidos ao TJGO perderão gratificação de incentivo funcional

Servidores públicos civis e militares, além daqueles de ente governamental de direito privado cedidos ao Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), para função por encargo de confiança, não terão mais direito à concessão da gratificação de incentivo funcional. Também não poderão ser acumuladas com a gratificação de nível superior como previsto no caput do artigo 28 da lei n. 16.893/10. As informações são do jornal O Hoje.

É o que prevê projeto de lei que chegou ontem à Assembleia Legislativa, de iniciativa do presidente do TJGO, desembargador Leobino Valente Chaves, que revoga o parágrafo 4º do artigo 24 da lei n. 17.663/2012. O referido parágrafo foi inserido na lei 18.175/2013. Por consequência, explica do desembargador, desde então foi reconhecido o direito à concessão da gratificação de incentivo funcional, que engloba ações de treinamento e cursos de pós-graduação ao servidor civil e militar.

“Nesse contexto jurídico, após as devidas análises, observou-se que o citado parágrafo 4° padece de várias incongruências legais e legislativas, que carecem de imediata regularização”, salienta. Ele explica que o artigo 27 da Lei n.16.893/2010, que trata da gratificação de nível superior, “numa simples interpretação literal, não oportuniza margem para a concessão do mencionado benefício para servidores de outros órgãos cedidos a este Poder, ainda que exerçam funções por encargo de confiança, deixando claro quem são os beneficiários da citada gratificação”.

De acordo com Leobino Chaves, o texto deixa claro que os beneficiários da citada gratificação são os servidores efetivos e de provimento em comissão do Poder Judiciário. Para ele, o reconhecimento do direito à concessão de gratificação de incentivo funcional “viola flagrantemente os princípios basilares da administração pública, notadamente da legalidade, moralidade, razoabilidade e proporcionalidade”.

Benefício exclusivo

O desembargador sustenta que a eventualidade do exercício de uma função por encargo de confiança por servidor cedido a este Poder Judiciário não tem o condão de transmudar a natureza jurídica de um benefício instituído, exclusivamente, para servidores integrantes da carreira, muito menos de estendê-lo mediante “reconhecimento do direito de concessão” para servidores pertencentes a outras carreiras, como erroneamente prevê o dispositivo em questão.

Para ele, admitir a possibilidade de concessão de uma gratificação de incentivo funcional única e exclusivamente em razão da designação para alguma função de confiança, sem averiguar a origem, vinculação e atribuições do cargo exercido, seria uma violação ao sistema remuneratório e uma subversão dos benefícios próprios do quadro funcional.

Leobino também salienta que não há respaldo jurídico válido para conceder uma gratificação financeira, a título de incentivo funcional, para servidor ocupante de cargo estranho à carreira judiciária, seja porque suas funções e atribuições não estão inseridas no contexto do regime jurídico regente, seja porque, naturalmente, o benefício está intrinsecamente vinculado ao próprio exercício de algum cargo pertencente ao quadro funcional.

Ônus

Ao final de sua justificativa, o presidente do TJ frisa que a cessão de servidores, conforme previsto em lei, deve ocorrer mediante a assunção do ônus pelo órgão cessionário, “que, obviamente, consiste em assegurar ao servidor o vencimento de seu cargo de origem acrescido de suas vantagens pessoais e não em concedê-lo gratificações de incentivo funcional próprias da carreira dos servidores do órgão em que exercerá suas funções, em caráter temporário e precário”.

O texto do projeto não especifica o quantitativo de servidores cedidos ao órgão colegiado, e que são beneficiados com gratificações. O presidente do TJ informa que a proposta foi aprovada por unanimidade por sua Corte Especial.

Read 1322 times
More in this category:

Pesquisar em Artigos

Calendário dos Artigos

« June 2019 »
Mon Tue Wed Thu Fri Sat Sun
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

Clipping Jurídico

Assine nossa Newsletter !

Quem Somos

A SKBR Advogados S/S fundou-se na década de 1960, tendo como idealizadora do projeto a renomada Dra. Wilma Abrantes Almeida Britto - OAB/GO 1.426 - que à época batizou o escritório como o nome ABRANTES BRITTO. Filha de Advogado, Dra. Wilma foi uma das Advogadas pioneiras na atuação em Direito de Família no Estado de Goiás.

Twitter Corporativo

Software Projurídico

Redux Diet Extra Forte - 02 Unid. https://t.co/Uf68i9iRED

Software Projurídico

O G Suite está a oferecer uma versão experimental gratuita de 14 dias. Inscreva-se através de… https://t.co/pwHIlHJbFq

Follow Software Projurídico on Twitter

Fale Conosco

Rua 105 , nº. 368

Setor Sul - Goiânia, GO

Cep.74.080-300

+55 (62) 3924 - 1717

+55 (62) 3251 - 2231

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.